CREA-DF
Quarta, 23 Maio 2018 18:51

Palavra da Presidente

Escrito por

A Serviço da Humanidade

Nossas profissões - a Engenharia e a Agronomia – estão presentes em praticamente todas as coisas e atividades do cotidiano. Da água que bebemos, à lâmpada que acendemos; do carro que nos transporta, à comida que chega à mesa, tudo tem, inerente, a técnica e o talento de agrônomos e engenheiros de todas as modalidades.

Pensemos: o que seria de um centro cirúrgico sem a engenharia que busca sem cessar a evolução dos equipamentos? E como ficaria nossa saúde, não tivéssemos o trabalho dos agrônomos para nos entregar alimentos adequados e garantir a segurança alimentar do planeta?

Muitas vezes, contudo, a importância do nosso trabalho não é percebida. Todos estão tão acostumados com as facilidades do dia a dia, que deixam de reconhecer a ciência e o trabalho que há por trás delas. Nesse “alheamento”, perde o profissional da área tecnológica que, por tabela, também deixa de ser reconhecido e consequentemente, valorizado.

No Brasil, não é raro a engenharia ser lembrada apenas na falta de alguma dessas facilidades, ou pior, apenas em situações de acidentes e catástrofes – quando ponte cai, a barragem rompe, o edifício desaba ou o frigorífico é interditado.

Dado esse contexto, se desejamos a tão procurada valorização profissional – conjunto de fatores que começa com o reconhecimento da importância do nosso trabalho – é necessário que, ao invés de aguardarmos passivamente o momento dos próximos problemas e escândalos- e eles infelizmente, ainda acontecem -, busquemos todos, proativamente, a ampla e contínua divulgação do valor e do orgulho que temos de nossas profissões.

Seja nos pequenos espaços de convivência ou por meio de grandes campanhas, precisamos nos posicionar e mostrar ao mundo o que fazemos e os bons resultados de nosso trabalho. Precisamos lembrar as pessoas que a engenharia é o oxigênio da inovação e está no centro do desenvolvimento de qualquer país. Que só com a ciência agronômica será possível alimentar a humanidade.

A Lei 5.194/66, que regula o nosso exercício profissional, traz explícita logo no seu primeiríssimo artigo que as profissões dos engenheiros e agrônomos são caracterizadas pelas “realizações de interesse social e humano”. Isso pode parecer uma obviedade, mas é ponto importante a destacar. O que acontece é que, às vezes, foca-se demais na técnica e nas formalidades, e esquece-se do mais importante: pensar nos impactos e nas transformações que nosso trabalho pode ter e gerar na sociedade.

A técnica e o senso de servir às pessoas não podem andar dissociados. Por isso a importância de humanizar ao máximo nossas ações. Pensar não só nas sustentabilidades econômica de nosso negócio, obras, produtos e serviços, mas principalmente, nas sustentabilidades sociais e ambientais. Já dizia Gilberto Freyre que “sem um fim social, o saber será a maior das futilidades”.

Quando nossas profissões são exercidas sob bases humanistas, privilegiando o bem comum e o desenvolvimento sustentável que pensa nas gerações por vir, os resultados são inevitavelmente, muito mais relevantes e positivos para todos.

E é aliando essa consciência - interna - sobre nossa responsabilidade e missão no mundo, com a divulgação - externa – da importância e imprescindibilidade de nosso trabalho, que pavimentamos a estrada para o reconhecimento de nosso valor.

Fato é que a valorização de nossas profissões não veio e não virá por decreto. Porque ela não passa pela “obrigatoriedade”, mas sim pela “necessidade”. Quando a sociedade entender que estamos a serviço do seu bem estar, da sua integridade, não precisaremos ”impor” nossa presença; Reconhecidos como necessários, seremos naturalmente “convidados” a participar e a ocupar o lugar que merecemos: no centro das decisões que dizem respeito ao desenvolvimento das nações e a melhoria da qualidade da vida no planeta.

Fátima Có

Última modificação em Quarta, 23 Maio 2018 20:55

Conhecidos por muitos como verdadeiras obras de arte, as pontes e viadutos são de extrema importância para o desenvolvimento econômico e social de um país. Além do caráter funcional, muitas destas obras transformam-se em ícones das cidades e tornam referências das comunidades, como a Ponte JK, em Brasília, a Ponte Golden Gate, em São Francisco (EUA), a Ponte da Amizade, na divisa Brasil (Paraguai). As pontes se destacam ainda por permitir a ligação e integração entre cidades e regiões, ocasionando o fluxo da economia e mesmo o acesso rápido para evacuação no caso de desastres.

Última modificação em Quarta, 23 Maio 2018 13:25

Com um mundo cada vez mais sedento, o futuro da água está nas mãos da vegetação. Um estudo da Universidade de Colúmbia, em Nova York, mostra que as plantas desempenham papel dominante no ciclo hídrico da Terra e que caberá a elas regular e dominar o estresse crescente imposto sobre rios, nascentes e mananciais. O trabalho, conduzido pelo engenheiro ambiental Pierre Gentine, foi publicado na revista Proceedings of National Academy of Sciences (Pnas).Com um mundo cada vez mais sedento, o futuro da água está nas mãos da vegetação. Um estudo da Universidade de Colúmbia, em Nova York, mostra que as plantas desempenham papel dominante no ciclo hídrico da Terra e que caberá a elas regular e dominar o estresse crescente imposto sobre rios, nascentes e mananciais. O trabalho, conduzido pelo engenheiro ambiental Pierre Gentine, foi publicado na revista Proceedings of National Academy of Sciences (Pnas).

Quinta, 05 Abril 2018 17:41

Lançamento da 75ª SOEA marcado para 19 de abril

Escrito por

No próximo dia 19 de abril, Maceió (AL) receberá lideranças do No próximo dia 19 de abril, Maceió (AL) receberá lideranças do Sistema Confea/Crea e Mútua, além de autoridades políticas, para olançamento da 75ª Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia (Soea).A cerimônia será às 18h30, na Associação Comercial de Maceió.

Última modificação em Quinta, 05 Abril 2018 20:41
Sexta, 23 Março 2018 19:36

FMA: Abertura oficial marca início dos debates

Escrito por

A primeira edição do Fórum Mundial da Água (FMA) realizada no Hemisfério Sul, a de número oito, acontece esta semana em Brasília (DF). A solenidade de abertura foi realizada na manhã desta segunda-feira (18), no Palácio do Itamaraty e transmitida ao vivo no auditório principal do Centro de Convenções Ulisses Guimarães, local que sedia as palestras, mesas redondas e demais agendas técnicas do Fórum. Dez chefes de Estado, representantes da ONU e de 150 países participam do evento, que conta com mais de 300 debates sobre os mais diversos aspectos ligados ao tema água, como políticas públicas, uso racional, reaproveitamento, entre outros.A primeira edição do Fórum Mundial da Água (FMA) realizada no Hemisfério Sul, a de número oito, acontece esta semana em Brasília (DF). A solenidade de abertura foi realizada na manhã desta segunda-feira (18), no Palácio do Itamaraty e transmitida ao vivo no auditório principal do Centro de Convenções Ulisses Guimarães, local que sedia as palestras, mesas redondas e demais agendas técnicas do Fórum. Dez chefes de Estado, representantes da ONU e de 150 países participam do evento, que conta com mais de 300 debates sobre os mais diversos aspectos ligados ao tema água, como políticas públicas, uso racional, reaproveitamento, entre outros.

Última modificação em Sexta, 23 Março 2018 20:33

O clima da festa na colação de grau dos novos engenheiros agrônomos, do 2º Semestre de 2017 da União Pioneira de Integração Social (UPIS) contagiou todos os convidados na noite de quinta-feira (15/03).

Última modificação em Quinta, 22 Março 2018 16:43

O Crea-DF participou da reunião realizada pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa), para discutir os tópicos e assuntos a serem abordados no 8º Fórum Mundial da Água, que está acontecendo desde o dia 19/3 (segunda-feira) e terminará no dia 23/3 (sexta-feira).

Última modificação em Quarta, 21 Março 2018 18:00

As soluções baseadas na natureza podem ter um papel importante na melhoria do abastecimento e na redução do impacto dos desastres naturais. Esta é a conclusão do Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos.As soluções baseadas na natureza podem ter um papel importante na melhoria do abastecimento e na redução do impacto dos desastres naturais. Esta é a conclusão do Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos.

Última modificação em Segunda, 19 Março 2018 17:36

Na tarde dessa quarta-feira (14/03) o Confea, o Crea-DF e a Anetrans promoveram um debate para discutir o setor da engenharia consultiva, na sede da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Na tarde dessa quarta-feira (14/03) o Confea, o Crea-DF e a Anetrans promoveram um debate para discutir o setor da engenharia consultiva, na sede da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Um dos principais temas debatidos na tarde foi à contratação de serviços de engenharia através de pregão. 

Última modificação em Sábado, 17 Março 2018 17:02

Nesta segunda-feira (05/03) a Presidente do Crea-DF, Fátima Có, e o ex-Conselheiro do Crea-DF, João Bosco Ribeiro, concederam entrevista para o jornal Bom Dia DF.

Última modificação em Terça, 06 Março 2018 17:27
Página 1 de 262