Sexta, 05 Fevereiro 2021 14:27

Sem registro no Crea-DF, falso engenheiro teria vendido cursos para 10 mil pessoas

Escrito por Metrópoles
Avalie este item
(0 votos)
Reprodução/Instagram Reprodução/Instagram

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Distrito Federal (Crea-DF) e a Polícia Civil do DF (PCDF) investigam Jhonata Teles Dutra, dono da Engeteles. A empresa vende cursos on-line e presenciais e atrai interesse de profissionais que trabalham, por exemplo, com manutenção de equipamentos industriais.

Teles se identificava como engenheiro e, inclusive, um número do Crea-DF relacionado a ele foi inserido em certificados de conclusão de curso. Mas o conselho da categoria confirmou à coluna Grande Angular que não consta o nome do empresário, como profissional registrado, nos sistemas do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) e do Crea.

No portal da Engeteles, há dois perfis do proprietário, que também é professor do curso de Planejamento e Controle da Manutenção. Teles é descrito em um deles como engenheiro mecânico e engenheiro de produção com pós-graduação em gestão de projetos e engenharia de manutenção. No outro link, entretanto, não há informação sobre a formação em engenharia.

Um dos perfis descreve que o empresário capacitou “mais de 10 mil profissionais da área de gestão da manutenção”. “Como diretor de Operações da Engeteles, já liderou mais de 300 projetos de consultoria no Brasil e em seis países”, diz o texto.

Em nota, o Crea-DF informou que “está averiguando o caso e que já realizou a instauração de processo administrativo para apurar a situação”. A entidade disse que a Assessoria Jurídica vai comunicar o Ministério Público Federal (MPF) para que o órgão também investigue.

O conselho explicou que, para ministrar cursos na área de engenharia, é preciso que o profissional seja da engenharia ou geociências. A exigência consta na Resolução nº 218/73 do Confea.

A Coordenação de Repressão aos Crimes Contra o Consumidor, a Ordem Tributária e a Fraudes (Corf), da PCDF, investiga denúncia envolvendo o empresário.

O outro lado

Por meio de nota assinada por Teles, a Engeteles disse que “não houve nenhuma decisão no âmbito do processo administrativo”. Segundo a empresa, é “imprecisa a informação de que é necessária a graduação no curso superior de engenharia ou geociências para ministrar curso de gestão de ativos”.

“Qualquer decisão administrativa, por óbvio, está sujeita ao contraditório e ao devido processo legal, devendo observar os esclarecimentos apresentados nos autos”, afirmou.

A Engeteles ainda pontuou que “conta com professores parceiros formados em engenharia e em outras áreas de conhecimento, o que foi devidamente apresentado no âmbito do processo administrativo e é de conhecimento dos consumidores da empresa”.

“A Engeteles informa que apresentou todas as informações a respeito de suas atividades ao Crea-DF e que se, eventualmente, for convocada para prestar esclarecimentos a qualquer autoridade policial, adotará igual espírito de colaboração”, frisou.

“Por fim, a Engeteles assume compromisso quanto à qualidade de seus cursos e materiais, que são direcionados a profissionais da área de gestão e manutenção de ativos”, concluiu.

Última modificação em Sexta, 05 Fevereiro 2021 14:35